Newsletter do Ducs #01: O começo

E ai, tudo bem contigo?

Bom, primeiro – se você se inscreveu para receber emails dessa lista há tanto tempo que nem lembra que meu sou, e quer só sair, basta clicar aqui. Se quiser continuar (obrigado!) mas depois mudar de ideia, todo email tem um link para sair. Clica e BOOM. Você está fora. Tipo assento ejetor. Última coisa que eu quero é aumentar spam na internet.

ASSENTO EJETOR – ME TIRE DAQUI RÁPIDO

FIM DOS STORIES NO INSTA

Hey, você ainda está aqui! Cool! Obrigado! Possível que você estivesse me acompanhando nos Stories do Insta por todos esses anos. E aí um belo dia (ou… um dia cinzento – hey, é outono aqui na Holanda), eu largo e resolvo parar os Stories. É uma decisão complexa… o domínio da mídia social sobre a atenção das pessoas é forte, e parar de produzir nelas pode parecer uma espécie de… exílio. Abandonar o jogo.

Não é o caso.

Eu quero…. mudar o jogo. Sem dúvida que os Stories trouxeram muitas coisas boas – para mim e muitas pessoas que tiveram a bondade e paciência de me escrever contando o impacto ou influência que eles tiveram na vida delas. Eu sinto que fiz o melhor uso que pude da ferramenta, e do poder que ela oferece… não como um meio de promoção e vendas (mídias sociais são, e já há algum tempo, plataformas de marketing direto), mas (teimosamente) como um meio de contar histórias e causar descoberta e reflexão.

Ambicioso… e inadequado.

Totalmente inadequado. Estranho um treco chamado “Stories” ser inadequado para contar histórias, mas veja como são as coisas… nem todo Ministério do Amor e da Verdade merece o nome…

Você pode ler os meus motivos para parar os Stories no meu novo blog AQUI.

Ah sim… novo blog. Tá rolando. Esse é o primeiro tijolo apenas.

SOBRE ESSA LISTA

Então… eu vou usar essa lista para mandar um email (razoavelmente) semanal, te dando uma atualização das coisas que descobri e estão me interessando durante a semana que passou. Isso pode incluir dicas de livros, filmes, alguma frase interessante que descobri, posts/podcasts/vídeos, feitos por mim ou por outros.

A ideia do email é ser uma visão geral de coisas interessantes, com diversos assuntos para você escolher. Se você quiser, pode ficar só nele. Ou se quiser ir mais a fundo, tem as referências, links, para você continuar explorando. E nada vai expirar em 24 horas. Está tudo guardado para quando você escolher dedicar seu tempo.

NOVAS REGRAS NA HOLANDA PARA O CORONA

Na terça feira dia 13 de outubro, o governo holandês divulgou novas regras para conter o avanço do Corona. Eu atualizei o post no Ducs Amsterdam sobre a situação.

LIVROS DA SEMANA

Essa semana eu… consumi três livros. Digo consumi porque eu li um, ouvi um e um eu tinha lido anos e anos atrás (foi um dos primeiros livros que li na vida) e ouvi de novo agora.

A STUDY IN SCARLET (“Um Estudo em vermelho”), Sir Arthur Conan Doyle, na versão narrada (em inglês) por Stephen Fry.

Li esse clássico aos 8 anos de idade, e foi uma experiência formadora. O poder do pensamento analítico e racional me impressionaram, e Sherlock Holmes virou meu herói de infância (pedi uma fantasia dele para meu pai, que montou comprando itens separados, incluindo um cachimbo e uma lupa. Sim, um cachimbo). Anos depois, já adulto, minha mãe me contou que foi chamada na diretoria da escola por causa da minha adamiração por Holmes e Watson. A leitura recomendada na classe era Marcelo, Marmelo, Martelo e eu estava lendo um livro onde há assassinato, “vingança” escrito em sangue na parede, um detetive que usa cocaína. E isso que eles nem sabiam que eu tinha ganho um cachimbo de verdade (se bem que era os anos 80, talvez Isso eles não ligassem). Minha mãe nem se dignou a me contar da reunião e continuou me deixando ler o que eu quisesse. Por alguma coincidência cósmica, eu acabei não me viciando em cocaína (nem nunca usei), nem fumante. Por outro lado também não virei detetive. Droga!

Enfim, a Audible oferece mais de 70 horas das obras completas de Sherlock Holmes narradas pelo ator/autor britânico Stephen Fry, e é maravilhoso. Se você tem Audible, um dos melhores investimentos de um crédito. Se não tem, mas quer ter, o você tem direito a um livro de graça, e o link é ESSE. Se não quer ter, ou não fala inglês, mas tem filhos e está preocupada/o com o que deixar ou não seus filhos lerem, fica o exemplo da filosofia da minha mãe: “pega o que quiser para ler. Se não for adequado, você vai largar sozinho”. Me conhecendo, deixo você julgar os resultados por si…

RAGE (“Raiva”), Bob Woodward

Yes, um livro sobre Donald Trump. É o terceiro que leio (bem, nesse caso, ouço) sobre ele esse ano. Se não sou admirador da figura (nem um pouco)… Por que ler livros, ainda mais três, sobre Trump?

Em uma palavra: conhecimento. Mais uma? Entendimento. Não é preciso gostar, mas é preciso entender, e tem muita coisa que não cabe em 280 caracteres de um tuite.

O presidente dos Estados Unidos tem muita influência sobre o mundo onde estamos, e para gostar ou não, é preciso antes entender. Ok, ao livro agora.

O jornalista Bob Woodward, famoso repórter do Washington Post que investigou o escândalo de Watergate nos anos 70, e desde então cobriu diversos presidentes americanos (republicanos e democratas), entrevistou extensivamente o atual presidente americano, e dá uma visão sobre o processo da presidência ao lidar com diversas crises: a quase guerra com a Coreia do Norte (esqueceu dessa já? 2020 tem esse poder), o conflito sobre comércio com a China, e, claro, COVID-19 e as tensões raciais nos EUA que explodiram depois do assassinato de George Floyd. Woodward conduziu 17 entrevistas com o presidente (gravadas), e embasou todas suas declarações, dando ampla oportunidade para Trump declarar seu ponto de vista (e reportando exatamente o que foi dito). Excelente trabalho jornalístico. Tem versão em português.

ARTEMIS (mesmo nome em português), Andy Weir

Esse eu li no Kindle. O segundo romance do autor de O Marciano, é um hard sci-fi: ficção científica baseada em ciência pura, onde tudo parece bem plausível e baseado na realidade (nada de viagem no tempo, teletranporte e outras tecnologias indistinguíveis de mágica). É narrado em primeira pessoa por uma protagonista mulher, e estou extremamente curioso para que uma mulher me diga se parece plausível. Porque para mim, sendo homem, pareceu muito, e eu já vi alguns casos constrangedores de homens escrevendo protagonistas femininos e nem sequer era primeira pessoa. De toda forma, gostaria de um feedback do ponto de vista feminino sobre isso.

Enfim, a história é sobre uma cidade na Lua nos anos 80 (anos 2080), e uma disputa comercial. Tem bastante detalhe técnico (se você leu O Marciano, conhece o estilo) e tiradas sarcásticas (de novo, como no O Marciano). Sarcasmo, ciência e espaço. Meu tipo de livro. Recomendo. Tem versão em português.

TREINOS: RETA FINAL PARA UMA MEIA MARATONA

Yes, treinos! Estou na última semana antes de correr uma distância de meia maratona o mais rápido que eu conseguir. Digo correr a distância em vez de uma prova, porque obviamente as provas oficiais estão canceladas, então eu vou correr eu mesmo, com o apoio socialmente distante da minha treinadora, Lorna Wilson [Contata ela aqui], e meu brother Rodrigo (conhecido no Insta como hashtagfeet).

Um conceito errado que muita gente tem é treinar correndo sempre o mais rápido que consegue uma distância, até um dia conseguir um record. Na verdade, não é assim que treinos funcionam. Um treino para uma prova é um ciclo, onde se faz diversos tipos de corridas diferentes, para aumentar força e resistência, para que no dia da prova estejamos preparados para fazer um esforço máximo naquela distância. Mas o treino, é preciso uma variedade de esforços e distâncias, para ir construindo esse condicionamento.

E a maioria dos treinos, na verdade cerca de 80% deles, são feitos com baixo esforço, em corridas fáceis. A velocidade do que cada um considera fácil varia de pessoa para pessoa, mas tem que ser fácil. O nosso corpo é capaz de correr em várias marchas, e a maioria das pessoas não tem a base desenvolvida. Todo mundo quando começa, já vai para a marcha alta, ou seja correr o mais rápido possível, com a pulsação no máximo…. o que funciona, mas tem pouca duração. Para correr maiores distâncias do que poucos mouetros, é preciso ser capaz de correr com a pulsação mais baixa. E isso requer treino.

Agora estou na fase final, a última semana. Os treinos são leves para eu estar descansado para o dia da prova (sábado dia 17 agora)

Depois eu conto como foi [EDIT: contei aqui]. Se quiser ver todos meus treinos e provas, [eu estou no Strava].

NOTÍCIAS DOS SAGUIS

Os saguis são como eu chamo meus filhos, caso você não tenha acompanhado os Stories. Eles estão nas “Férias de Outono” (Herfstvakantie) agora. É uma semana sem aulas no meio de outubro. A Holanda está no meio de um novo pico de infecções de Corona, então não vamos viajar. Uma semana em casa mesmo…

O mais novo (seis anos) está querendo aprender a cozinhar, desde que falei para ele que quando ele for grande, vai poder cozinhar e escolher o que quiser comer. Ele achou excelente ideia.

(Aqui em casa eu e Carla cozinhamos, e estamos ensinando os dois saguis essa habilidade essencial para a vida).

O sagui mais novo aparece nesse post do meu feed no Insta. Sim, os posts no feed continuam. Ao menos eles não some em 24 horas.

FRASE DA SEMANA

Vida é esporte de resistência. É preciso treinar para ela.


Eu ficaria feliz se você me ajudasse a divulgar para outras pessoas, indicando para alguém que você acha que vai curtir. Isso é essencial: agora que não tenho mais O ALGORITMO me ajudando (ou prejudicando), eu preciso de você.

Passa esse link para quem quiser se inscrever:

Obrigado e um abraço! (PS: Me deseje sorte)

👇Se junte ao movimento e faça parte da lista👇