Quais os benefícios da meditação?

Vou ser sincero contigo: eu sempre achei que meditação era coisa vazia sem aplicação prática no mundo real. Primeira vez que ouvi falar, foi com os hippies, e para o Daniel adolescente mais interessado em Ramones e quadrinhos, era só uma desculpa para não fazer nada. Preferia ouvir metal. Mais recentemente virou uma buzzord-chavão marquetento para vender livro de auto ajuda no mundo corporativo.

Para mim meditar era “tentar parar de pensar”, o que não faz nenhum sentido, porque se eu to pensando que vou parar de pensar eu to pensando e não parando de pensar e… AAAH! Okay, se você quer ver grama crescer, sorte lá. Eu tinha coisas a fazer. Ver vídeo de lemingues no YouTube, talvez.

Okay, eu estava errado. E depois de uma certa crise físico-mental que culminou no ano de 2018 me internando numa sala de emergência com uma dor tão maldita que morfina não adiantou (tive que remover um órgão e começar um processo de recuperação e mudança que dura até hoje), resolvi tentar ver qualéra da meditação.

E descobri que meditação não é sobre parar de pensar, nem sobre desestressar do mundo corportaivo (como se fosse uma daquelas bolinhas anti-stress que você fica apertando), nem requer vocÊ seja religioso ou nem mesmo espiritual (eu não sou).

O que é meditação e qual efeito prático na nossa vida?

Meditação é um treino da mente. Como treinar o corpo, é uma prática que exige dedicação, aprendizado e regularidade para dar resultados. É muito estranho que treinar o corpo seja uma prática amplamente recomendada e reconhecida, mas treinar a mente não tanto. Treino é treino, e traz resultados.

Nós não somos nossos pensamentos. O mundo não é nossos pensamentos

Existem vários resultados práticos da meditação. Um deles é que paramos de nos identificar com nossos pensamentos. Normalmente, na configuração padrão que vem de fábrica em nós humanos é que não separamos nossos pensamentos da realidade. O que pensamos – de nós mesmos e do mundo – é o mundo (nessa visão). Só que… não é verdade.

Pensamentos são pensamentos, e apenas pensamentos. Pensamentos não são o mundo, são uma história que contamos para nós mesmos sobre o mundo (e sobre nós). Essa percepção é uma revolução absoluta.

Passar a ter consciência dos pensamentos como histórias passageiras, criadas a todo momento, e não a realidade é libertador. Em vez de ficar repetindo e reforçando as histórias, podemos olhar para elas e tomar uma decisão: agir ou deixar passar. Você não precisa se apegar a tudo que te ocorre, nem ficar perseguindo todo pensamento que surge. Se ele não é útil, só deixar ele ir embora. No próximo momento surgirá outro. E você pode decidir de novo o que fazer com ele: agir ou não.

Exemplo da utilidade disso: eu estava fazendo café. Eu estava já de mau humor. Eu deixei cair o pó que estava sendo coado na pia e no chão fazendo uma grande meleca fumegante. Eu fiquei irado, e minha reação imediata foi começar a pensar como o meu dia estava uma m. como eu não conseguia nem passar a droga de um café direito, era muito incompet…. espera. Isso… isso não é verdade. São só pensamentos. Histórias que eu estou contando para eu mesmo para justificar minha ira. A minha ira não era resultado de nenhuma dessas histórias. Era resultado de eu queria algo, não consegui, fiquei frustrado, frustração levou à ira. Só isso. Senti a ira se desarmar. Limpei a meleca. Fiz o café prestando mais atenção ao momento, ao que eu estava fazendo. Agindo para ter o que queria, focado no momento presente, em vez de reagir e ficar reforçando e recriando um sentimento passageiro.

Loops mentais? Eu ficava constantemente preso neles. Agora, é muito mais fácil notar quando estou em um, e simplesmente deixar os pensamentos irem embora sozinhos. Isso é um super poder e é difícil enfatizar o suficiente o quanto isso melhorou minha vida. O Dialogo interno deixa de ser uma prisão. É possível deixar de ser escravo dos pensamentos.

Essa capacidade de desacoplar a percepção de pensamentos e realidade tem ainda outro efeito: você para de enxergar pensamentos como limites reais. Eu pensava: não gosto de correr. Eu não sou bom em atividades físicas. Estou velho e fraco para começar a correr. Eu acreditava nesses pensamentos, sem perceber que eles eram apenas isso: pensamentos, passageiros, imateriais, histórias que eu estava contando para mim mesmo em vez de limites reais. Eram limites tão reais como riscos de giz na calçada: você pode pisar para além dele. É só um risco, não um muro.

E eu corri uma meia maratona em menos de duas horas aos 46 anos de idade.

Meditação nos dá controle sobre nossa atenção (e atenção é a coisa de maior valor na sua vida)

Atenção é o maior bem que temos na vida… porque é a nossa vida. Ter saúde é muito importante, mas se não prestamos atenção nela, a desperdiçamos, em vez de dar manutenção. Quanta gente nasce com saúde perfeita, mas não se exercita, não come direito, não dorme, negligencia o corpo até que ele se deforma e adoece? É triste, mas extremamente comum.

Família e amigos são essenciais, mas quantas vezes estamos juntos com mente em outro lugar, quantas vezes perdemos a alegria do nosso filhos escorregou no parquinho porque estamos olhando o celular?

Ter boas coisas na vida sem prestar atenção é como ter o livro mais legal do mundo e nunca abri-lo. Estamos na mesma de quem não tem o livro para ler.

E o pior: não prestamos atenção nem no fato de que não estamos escolhendo onde prestar atenção.

Nossa mente está sempre filtrando incontáveis sinais e decidindo quais devem ter nossa atenção e quais não. A maioria das pessoas deixa esse processo no automático, deixando sua atenção pular sem controle por toda a parte, como um rádio pulando de frequência em frequência atrás de uma estação, nunca ficando em uma tempo o suficiente para ouvir uma música inteira.

Ha quem explore isso para manipular e lucrar com a captura automatizada da nossa atenção. A única defesa é tirar o processo do automático, e passar a escolher conscientemente onde aplicar nossa atenção. As vezes em nossos sentimentos, as vezes no trânsito a nossa frente, as vezes no fato de que estamos presos num loop de pensamento, as vezes no nosso filho que está tentando contar uma história enquanto estamos olhando o celular.

O processo de tirar a escolha da atenção do piloto automático não é fácil. Mas é possível com treino diário e regular. E esse treino é a meditação.

Como começar a treinar meditação

Existem muitas maneiras. Hoje em dia, ironicamente, um app no celular é uma maneira bem acessível. Foi como comecei, usando app Headspace. Hoje tem versão em português, embora a versão em inglês seja mais completa. O curso básico é gratuito, e depois tem uma assinatura mensal (ou anual). O app tem também exercícios físicos guiados, sons para ajudar a dormir, meditações para crianças e muitas outras coisas. Muitas – é bem completo.

Outro app que gosto muito é o Waking Up do Sam Harris. Tem mais teoria, e uma proposta mais ampla, com lições e insights que achei valiosíssimos. O curso introdutório é mais técnico do que o Headspace que é mais focado em bem estar geral (o que tem seu valor – acho que os dois se complementam e tenho ambos). Além disso tem podcasts bem interessantes com convidados. O Waking Up tem algum conteúdo básico gratuito, e o acesso completo requer uma assinatura. Mas tem um lance bacana: se você não puder/quiser pagar a assinatura, pode escrever pro suporte deles e eles dão um ano de graça. Não precisa justificar. Basta pedir (eles concedem 100% dos pedidos). Sam harris diz que, apesar deles serem um negócio, dinheiro não deve ser um empecilho para você aprender e praticar meditação.

Em português me recomendaram o app medite.se Eu não tenho experiência com o app, mas muita gente falou bem dele.

Você sempre pode procurar por meditações guiadas no YouTube e no Spotify – tem bastante.

O importante é o seguinte: meditação é prática constante. Não tem uma linha de chegada, um momento final de graduação, uma hora que você diz, pronto, consegui. É como exercício físico: prática para vida. A graça é o processo, e o resultado é efeito colateral.

Curtiu? Okay. Antes de ir procurar os apps e podcasts e livros, o seu treino de hoje: antes de reagir a esse post com um like ou comentário, pause, abra o timer/cronômetro do seu celular e ponha para contar 1 minuto. Apenas sessenta segundos. E conte quantas respirações você da nesse minuto. Você sabe quantas vezes você respira num minuto? O número não é importante. Treinar controlar sua atenção por um minuto é. Vai ser um minuto bem investido no seu dia.

Respire.

👇Se junte ao movimento e faça parte da lista👇