Como faço meu orçamento doméstico usando um app

Em casa quem faz o orçamento de casa sou eu, como parte da divisão de tarefas com a minha esposa. Ao longo dos anos eu usei diversas planilhas, a maioria feitas por mim mesmo, para controlar gastos. Mas organização nunca foi meu forte, e eu sempre acabava em algum momento abandonando os Google Docs e Excels, pelo trampo de dar manutenção.

Quando comecei a grande revolução de mudanças na minha vida a partir de 2018 (que incluiu coisas como começar atividade física, mudar alimentação e passar a me organizar), eu sabia que por ordem nas finanças era inevitável e necessário.

É importante controlar as finanças para estar preparado (aka 2020 happens)

E ainda bem que eu fiz isso, porque em 2020, com a pandemia, meu negócio simplesmente desapareceu e de repente a renda da casa caiu pela metade – estávamos agora apenas com a renda da minha esposa.

Se não fosse o app YNAB (abreviação de You Need A Budget), nós estaríamos na rua da amargura. O YNAB não só salvou a nossa pele, como mudou totalmente minha visão sobre orçamento doméstico. Antes de usá-lo, eu só rastreava o dinheiro que tinha gasto, e sempre contava com dinheiro que iria ganhar para cobrir as despesas do mês. O YNAB propõe algo diferente que, pensando em retrospecto parece óbvio, mas não me ocorria: você só gasta o que já tem.

BOOM!

Orçamento Baseado no Zero, ou Zero Based Budget: só gasta o que tem

Tá, vou ser o primeiro a admitir que o conceito que o YNAB propõe para gerenciar seu dinheiro requer algum ajuste mental.

O YNAB usa um método baseado no “zero base budget”. É tipo o método dos envelopes de dinheiro: você pega todo o dinheiro que você tem e divide em envelopes, marcando onde você quer gastar aquele dinheiro.

(Claro, no caso do YNAB, os envelopes são digitais – categorias).

Então, você só pode criar orçamentos com dinheiro que você já tem. Dinheiro que você já tem agora. Não pode colocar dinheiro no “envelope” marcado Aluguel se você não tem o dinheiro ainda. “Ah, mas eu vou receber dia 15…” Okay. Quando receber dia 15 você completa o que falta no envelope.

Certo? Você vai distribuindo todo o dinheiro que você tem em envelopes até todo ele estar distribuído e você ter zero dinheiro sem destino. Daí o nome. E o conceito é esse: você não gasta dinheiro que não tem. Se gasta dinheiro de um envelope, ele fica vazio até você receber mais (ou desviar de um outro envelope).

Dessa forma você não gasta dinheiro futuro: está sempre pagando contas com a grana que já está lá. Óbvio, mas revolucionário.

Claro que isso requer uma organização e aprendizado. Por um tempo, ainda surgem contas que você não tinha planejado, ou esquecido. Mas aos poucos vai ajustando, e criando as categorias, e colocando lá.

E emergências? Elas também tem seus envelopes. Emergências médicas? Um envelope, uma quantia todo mês. Manutenção da bike-cargo (não temos carro)? Envelope nela, todo mês uma quantia. Mesmo princípio serve para férias, Natal, aniversários…

E isso é uma coisa legal: as emergências meio que deixam de ser emergências, mas despesas que você ainda não sabe a data que ocorrerão. Isso diminui muito o stress financeiro. E você se prepara para suas despesas verdadeiras, sem sustos. Natal tem todo ano: dá para começar a se preparar (engordar o envelope do natal) em janeiro. Chega dezembro você não precisa contar com o 13° ou começar janeiro pagando o Natal do ano passado. Em vez de dever, você se prepara. De novo, o stress é muito menor (sem mencionar os juros).

Contas fixas tem um target fixo (você configura e ele te avisa quanto falta), contas variáveis tem um teto, e mês a mês você vai preenchendo os envelopes.

Com essa filosofia, não tem milagre. Só sai dinheiro que já entrou. Com os relatórios você vê certinho de onde está vindo a bufunfa e para onde está indo a grana (vou esgotar o vocabulário de gírias obsoletas para o faz-me-rir).

Economizando dinheiro usando o YNAB

Outros benefícios existem: por exemplo, eu mudei algumas contas mensais para anuais, conseguindo desconto bom. Por exemplo: o app de meditação que uso, o Headspace, por exemplo, tem plano anual mais barato que o mensal. Eu sei que vou usar o ano todo, e cada mês eu separo uma quantia para pagar a conta anual quando ela cair. Na prática, eu ainda separo o dinheiro todo mês, mas passei a pagar menos na mensalidade. No fim do ano, quando chega a hora de renovar o plano, eu tenho a grana toda guardada.

A mesma coisa para o Ballet das crianças. Pago o ano que vai ter adiantado, com o dinheiro que juntei no ano que passou. Nesse caso eu não tenho desconto (o preço parcelado é igual ao a vista). Mas esse tipo de planejamento dentro do YNAB permite mais flexibilidade. Se a sagui não quiser mais fazer Ballet ano que vem, por exemplo, eu tenho um ano de mensalidade guardado, que posso colocar em outro envelope, para outro esporte ou qualquer outra despesa.

Isso veio bem a calhar em 2020: quando baixou a pandemia e ficou claro que eu iria perder a minha renda, eu zerei o envelope que estava marcado “ferias de verão 2020/Viagem em família” e coloquei os fundos juntados até ali para outras contas mensais.

Como importar as transações do seu banco holandês para o YNAB

No começo eu entrava todas as transações de todas as contas manualmente (a integração automática com bancos não funciona na Holanda, por leis de privacidade), mas depois eu descobri um jeito de exportar no meu banco e importar as transações no YNAB. Isso me poupou bastante tempo e trabalho braçal (embora no começo até achei bom, para ficar bem consciente das despesas). Mas mesmo importando, eu ainda tenho que aprovar e categorizar (dizer a qual envelope ela pertence) cada operação.

Se você tem conta no ABN da Holanda, você pode fazer assim: vai no homebanking, Acessa sua conta, vai em rekeningopties, clica em mutaties downloaden. Muda o formato de PDF para TXT. ele vai gerar um arquivo TAB. Salva esse arquivo e vai nesse link aqui. Joga o arquivo lá, e ele irá converter para o formato do YNAB.

E se seu banco não é o ABN? Faz o download das transações em txt/cvs/tab do seu banco, e vai nesse outro link.

Com o arquivo convertido, entra no YNAB e importa as transações. Funciona lindo.

E como o YNAB trata cartão de crédito?

O cartão de crédito pode dar um pouco de confusão até você entender o princípio, mas na verdade é simples. Você anota a despesa do seu cartão normalmente. O YNAB então vai e deduz aquela quantia do envelope. Ou seja, você está gastando dinheiro que já ttem, reservado para aquele fim. Aí, o YNAB separa essa grana e põe num envelope (ele chama envelope de categoria, dá no mesmo) especial, “pagamento de cartão”. Quando você paga a fatura do cartão, ele tira a despesa desse envelope. Na prática, ele separa a grana par você pagar o seu cartão, mas a grana que você está usando para a compra você já tem.

Aprendendo a usar o YNAB – Documentação e links.

Okay, o app oferece muito mais e tem muitos truques e práticas mais avançadas. Estou resumindo, mas o legal é que tem muita documentação on-line (em inglês), tanto no site oficial quanto vídeos de usuários, com dicas e truques. A minha ideia não é fazer aqui um tutorial, mas dar uma noção de como eu fiz, o que usei, e como isso salvou nossa pele na hora que o bico pegou e de repente minha profissão deixou de existir e metade da renda da casa sumiu.

O YNAB é pago, mas vale cada centavo e eu tenho o orçamento para confirmar isso. Se quiser assinar o YNAB (ele tem um mês de graça) o meu link de referência é esse aqui. Se você usar esse, nós dois ganhamos um mês extra.

Se quiser ler mais sobre o método, começa aqui no site deles.

Esse canal no YouTube tem vários tutoriais – tá um pouco antigo, mas me ajudou bastante.

👇Se junte ao movimento e faça parte da lista👇